Pular para o conteúdo
Quais são os subgêneros da fantasia? E em qual deles o seu livro se encaixa?

Quais são os subgêneros da fantasia? E em qual seu livro se encaixa?

Se você tivesse que classificar o seu livro favorito dentro de um dos subgêneros da fantasia, você conseguiria? E se você tivesse que classificar o seu livro?

A fantasia é um dos gêneros mais populares da literatura. Ela se encontra dentro do guarda-chuva da ficção especulativa, ao lado da ficção científica.

E como é um gênero que abarca diversos tipos de história, a fantasia ganhou vários subgêneros.

Por sua vez, os subgêneros são subdivisões dentro da fantasia que agrupam histórias que tenham elementos em comum para além da magia, que sempre está presente em livros de fantasia.

Para ajudar você a entender melhor a classificação de livros fantásticos, neste artigo nós vamos conversar sobre os maiores e mais representativos subgêneros da fantasia.

Você vai conferir:

O que é a fantasia?
As divergências nos subgêneros da fantasia
Uma história pode ter mais de um subgênero?
Alta Fantasia
Baixa Fantasia
Fantasia Científica
Fantasia Mitológica
Espada e Feitiçaria
Fantasia Romântica
Fantasia Sombria

O que é a fantasia?

Podemos definir o gênero de fantasia como aquele que utiliza fenômenos mágicos e sobrenaturais em seu enredo.

Ele se encontra no guarda-chuva da Ficção Especulativa, junto com a Ficção Científica e o Horror.

É comum encontrarmos em histórias de fantasia mundos imaginários, criaturas mágicas e itens superpoderosos.

Também é uma característica de histórias fantásticas ter uma delimitação muito própria sobre o que é ciência e tecnologia.

Por exemplo, a ciência no nosso mundo diz que a magia não existe, porém dentro da literatura fantástica vemos a magia se manifestando livremente.

As divergências nos subgêneros da fantasia

Antes de falarmos sobre cada um dos subgêneros, vamos esclarecer alguns pontos sobre essas classificações.

A verdade é que os estudiosos não tem uma opinião convergente sobre o que determina cada um dos subgêneros.

Inclusive, existem correntes de pensamento que classificariam o mesmo livro em subgêneros dominantes diferentes.

Ou que usam parâmetros diversos para dizer onde um subgênero começa e onde outro termina.

O que podemos usar para determinar o que é um subgênero são elementos estabelecidos que devem conter na história.

Por exemplo, um livro de alta fantasia se passa em um mundo completamente inventado, enquanto uma história de espada e feitiçaria depende de um personagem envolvido com magia que usa armas.

ilustração de o senhor dos aneis

Imagem: Fanart de O Senhor dos Anéis, uma história classificada como alta fantasia por alguns estudiosos, mas como espada e feitiçaria por outros

Uma história de fantasia pode ter mais de um subgênero?

Normalmente, as histórias são classificadas em apenas um subgênero, mas dependendo da trama, elas podem ter mais de um.

Por exemplo, The Witcher apresenta uma trama clássica de espada e feitiçaria, mas se passa em um mundo inventado.

Logo, poderia uma história de alta fantasia e espada e feitiçaria ao mesmo tempo.

Nesse caso, como classificar qual é o subgênero primário e qual é o secundário? Utilizando o conflito.

Ou seja, o plot da história é quem vai determinar a qual subgênero ela pertence.

Ainda no exemplo de Geralt de Rívia, a resolução do conflito dos contos depende muito mais da ação do protagonista, e de suas habilidades de espadachim, do que de magia.

Isso classifica The Witcher primeiro como uma história de espada e feitiçaria e depois, de alta fantasia.

Imagem: cena de Game of Thrones, uma história de alta fantasia, mas que também pode ser classificada como espada e feitiçaria

Quais são os subgêneros da Fantasia?

Agora que já esclarecemos alguns pontos sobre os subgêneros da fantasia, vamos falar sobre os elementos formadores de cada um, como o conflito se relaciona com eles e dar alguns exemplos:

Alta Fantasia

A principal característica de uma história de alta fantasia é que ela se passa em um mundo inventado.

Pode ser um mundo fantasioso clássico, com elfos e duendes, ou um mundo que se difere do nosso apenas por ter magia e um nome imaginado.

O importante para a alta fantasia é que a história se passe em um universo diferente do mundo que conhecemos.



O conflito na alta fantasia

Na alta fantasia, o conflito precisa estar alinhado com o mundo inventado e depender dele.

Por exemplo, em Sombra e Ossos, o conflito principal é que a protagonista é um tipo muito raro de conjurador.

Isso está intimamente ligado ao fato de a história se passar em um mundo inventado onde existem conjuradores.

Exemplos de livros de alta fantasia:

cena da série sombra e ossos da netflix

Imagem: Alina, protagonista de Sombra e Ossos.

Baixa Fantasia

Já na baixa fantasia, a história precisa ter elementos fantásticos envolvidos com o mundo que conhecemos.

Podem ser mundos separados um do outro, mas um precisa existir no mesmo universo que o outro.

Na baixa fantasia, as histórias costumam ir e vir entre esses dois mundos, o mágico e o comum.

Dentro deste subgênero estão histórias de fantasia urbana e fantasia histórica também, aquelas que escondem seres mágicos em meio aos prédios e grandes cidades.

O conflito na baixa fantasia

Na baixa fantasia, o conflito precisa fazer alusão à relação do mundo mágico com o mundo comum.

Um exemplo é Harry Potter, onde grande parte dos esforços dos protagonistas está em continuar mantendo o mundo bruxo escondido do mundo trouxa.

Os conflitos dos livros também estão ligados a, por consequência, salvar os trouxas de uma força que eles nem mesmo sabem que existe.

Exemplos de livros de baixa fantasia:

Cena de Harry Potter e As relíquias da Morte pt. 2

Imagem: Harry Potter, protagonista da série Harry Potter, e demais personagens

Fantasia Científica

Na fantasia científica, a linha entre a fantasia e a ficção científica fica um pouco borrada.

Para ser classificada como uma fantasia científica, a história precisa conter elementos de tecnologia que são alimentados por magia ou misturar ciência com elementos mágicos na mesma trama.

Os mundos costumam ser principalmente de fantasia ou principalmente de ficção científica, porém conseguimos notar alguns toques do outro gênero, mesmo que discretos.

O conflito na fantasia científica

A verdade é que a classificação neste subgênero não está muito ligada ao conflito e, sim, aos elementos.

Porém, podemos dizer que o conflito neste subgênero depende do uso da tecnologia movida à magia.

Por exemplo, Uma Princesa de Marte é uma história que tem todo o conflito “resolvido” quando o protagonista usa um dispositivo movido a magia para ser teletransportado de volta à terra.

Exemplos de livros de fantasia científica:

  • A Espada de Shannara, Terry Brooks
  • Duna, Frank Herbert

Imagem: John Carter, protagonista de Uma Princesa de Marte

Fantasia Mitológica

Na fantasia mitológica, os elementos mágicos derivam da mitologia de algum povo ou de contos de fadas.

Nesse sentido, a história pode se passar no nosso mundo ou em um mundo inventado, mas conter seres saídos de mitologias ou recontarem contos de fadas.



O conflito na fantasia mitológica

O conflito na fantasia mitológica está ligada aos seres mitológicos ou de contos de fadas diretamente.

Por exemplo, em O Urso e o Rouxinol, a história depende inteiramente do conflito entre humanos comuns e os seres mitológicos da Rússia.

A resolução está na protagonista que consegue transitar entre os dois mundos.

Exemplos de livros de fantasia mitológica:

filha da lua labirinto do fauno

Imagem: Ofélia, protagonista de O Labirinto do Fauno

Espada e Feitiçaria

O principal elemento de histórias de espada e feitiçaria é conter um protagonista versado em armas percorrendo um mundo onde ele pode encontrar desafios mágicos.

Normalmente a história acontece em um mundo inventado, mas a habilidade do protagonista com suas armas é mais importante do que a magia do mundo.

O conflito na espada e feitiçaria

Como explicamos há alguns parágrafos, o conflito de espada e feitiçaria está ligado ao uso das armas do protagonista e não à magia.

Pode-se ter uma resolução mágica para determinados conflitos, mas a ação do protagonista é o vale.

Assim como acontece em The Witcher, no exemplo acima.

Exemplos de livros de espada e feitiçaria:

Imagem: Geralt de Rivia, protagonista de The Witcher

Fantasia Romântica

Na fantasia romântica, o foco da história está no romance e não nos elementos mágicos.

Nesse tipo de história, nós podemos conhecer um submundo onde vive a criatura mágica que será interesse amoroso da protagonista.

Porém, o foco da história não está no conflito dentro do submundo, mas na relação entre os apaixonados.

O conflito na fantasia romântica

O conflito nesse tipo de história precisa depender do relacionamento entre os protagonistas.

Por exemplo, em Crepúsculo nós temos o submundo vampírico, mas o conflito acontece porque Edward quer salvar Bella e não por uma briga entre clãs de vampiros.

Exemplos de livros de fantasia romântica:

Imagem: Bella e Edward, protagonistas de Crepúsculo

Fantasia Sombria

A fantasia sombria pode facilmente se confundir com o suspense e o terror, mas se difere por ter inspiração no sobrenatural.

Esse subgênero também tem uma relação muito próxima com a literatura gótica.

Normalmente, os antagonistas da fantasia sombria são criaturas de mundos de sombras, como fantasmas, vampiros, lobisomens e demônios.



O conflito na fantasia sombria

O conflito na fantasia sombria está diretamente ligado ao mundo de sombras apresentado.

Por exemplo, em Amigo Imaginário a resolução depende da ação do protagonista de impedir uma força obscura de tomar controle sobre o mundo que conhecemos.

Exemplos de livros de fantasia sombria:

Imagem: fanart do livro Amigo Imaginário

Em resumo…

Existem diversos subgêneros da fantasia onde uma história pode se encaixar dependendo de seu conflito e dos elementos contidos.

É importante deixar claro neste momento do artigo que alguns destes subgêneros podem se mesclar também e que apenas trocar um dos elementos pode colocar sua história em um novo subgênero. Ou até, um novo gênero.

Por isso, é interessante que você tenha conhecimento sobre os subgêneros da fantasia, mas que não se apegue muito a eles porque os limites não são estanques.

Se você lembra de mais algum subgênero que eu não falei aqui, deixe nos comentários!

Leia também:

 



3 comentários em “Quais são os subgêneros da fantasia? E em qual seu livro se encaixa?”

  1. Pingback: Dicas para Escrever: Fantasia – É HORA DE ESCREVER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.