Pular para o conteúdo
Fantasia científica: o subgênero literário que mistura fantasia e ficção científica

Fantasia científica: o subgênero literário que mistura fantasia e ficção científica

Existe um subgênero tanto da ficção científica quanto da fantasia que fica exatamente no meio quando falamos de uso de ciência e de magia: a fantasia científica.

Cunhada no início do século XX, e explorada em obras de escritores como Robert E. Howard, Edgar Rice Burroughs e Marion Zimmer Bradley, o subgênero ainda é um mistério para muitos e desconsiderada por outros.

O que é a fantasia científica?

A fantasia científica é um subgênero único dentro da ficção especulativa.

Ela pertence como subgênero tanto à fantasia quanto à ficção científica porque consegue utilizar elementos de magia e ciência dentro de uma mesma história.

Como esse subgênero acaba sendo um misto, a maior parte das definições de grandes portais se dá pela comparação.

Por exemplo, para a Wikipédia, o subgênero trabalha conceitos que NUNCA poderiam acontecer no mundo real. A página ainda diz que esse subgênero trabalha pobremente tanto a fantasia quanto a ficção científica.

Já a InfoEscola traz que o subgênero se aproveita da tecnologia para recontar algumas lendas e histórias de fantasia, trazendo um novo estilo.

Mas basicamente, a melhor definição de fantasia científica é o uso mesclado de ciência e magia na mesma história.

Quais são os elementos deste subgênero?

Enquanto gênero, para que um romance seja um romance, é preciso que exista a relação amorosa entre pessoas. Para pertencer ao gênero policial, precisa ter um crime a ser solucionado por um detetive.

Para ser uma ficção científica, é preciso ter tecnologia e ciência.

E para ser uma fantasia, precisa de magia e elementos fantásticos. No caso da fantasia científica, os elementos formadores são tecnológicos e fantásticos. Não um deles, mas os dois.

Por exemplo, podemos ter uma história que se passa em um outro planeta, mas nosso protagonista chegará lá por um pingente mágico. Essa é a premissa de John Carter – Entre Dois Mundos, um clássico deste subgênero.

Cena do filme “John Carter – Entre Dois Mundos”, baseado na série de romances escrita por Edgar Rice Burroughs.

Também temos Star Wars, uma space opera que envolve naves espaciais, mas que também apresenta pessoas que podem manipular a Força, uma espécie de magia.

Temos o queridinho de 2021, Duna, que traz uma história num planeta alienígena, mas que tem uma substância que provoca alucinações que ajudam a prever o futuro.

Quais são os subgêneros da Fantasia Científica?
Star Wars é uma space opera que tem tecnologia e magia (a Força)

Como podemos perceber, os elementos caracterizantes este subgênero são uma mistura quase indistinguível entre magia e tecnologia.

Em quais subgêneros a fantasia científica se divide?

Por incrível que pareça, este subgênero também tem subgêneros (ou sub-subgêneros).

Eles são três principais e são apenas distinguíveis um do outro, ou de outros subgêneros (e de outros gêneros também) por conta de detalhes. São eles:

  • Fantasia científica transcendental: esse subgênero tem muita proximidade com a alta fantasia no sentido de que o mundo imaginado apresentado na história é um planeta e não um mundo imaginado. O exemplo pode ser A Espada de Shannara, que se passa no planeta Terra no futuro, mas a ambientação parece mais um mundo de alta fantasia.
  • Space Opera: este é um subgênero compartilhado com a ficção científica apenas pelo detalhe de que algumas das obras deste subgênero contém, além das viagens espaciais, um toque de magia. Como em Star Wars, onde temos naves e planetas distantes, mas também a Força.
  • Espada e planeta: muito parecido com o subgênero de espada e feitiçaria, porém no espada e planeta os personagens não estão em um mundo imaginado que remete à alta fantasia, mas em outro planeta. Uma Princesa de Marte se encaixa nesse subgênero, sendo uma história com um guerreiro que se passa no planeta Marte.

Além destes, existem outros subgêneros, mas que não são tão expressivos.

Para finalizar…

A fantasia científica é um subgênero literário (e cinematográfico) muito interessante. Ela mistura elementos da fantasia e da ficção científica para nos apresentar histórias envolventes e imaginativas.

De certa forma, este subgênero pode se apresentar como uma alternativa para escrever uma ficção científica mais soft, mas também me mostra as possibilidades de brincar com a magia sendo uma ciência que não conhecemos ainda.

Leia também:

3 comentários em “Fantasia científica: o subgênero literário que mistura fantasia e ficção científica”

  1. Será que um romance meu, que pretendo reescrever, é considerado Fantasia Científica? É sobre uma canibal que mata usuário de drogas e os come porque acredita que está limpando a Sociedade. Aparece uma viajante do Tempo apaixonada por ela; depois a sobrinha reaparece e diz que estava viajando em mundos paralelos, e em um deles o João Gordo é Ditador do Brasil e o Dado Dolabella é mártir igual o Tiradentes; a filha da canibal tem o poder de desaparecer com as pessoas e a viajante do Tempo, em explodir cabeça. Seria Fantasia Científica? Não sou de falar sobre o que escrevo para qualquer pessoas mas, quando procurei sobre esse gênero, vim aqui e vi que você é escritora e com certeza me responderá. Não tenho livros publicados mas sempre escrevi Humor. Adoro Ficção Científica, Fantasia, e eu não sabia que existia esse gênero. Pensei que meu romance poderia ser classificado como Realismo Fantástico ou Baixa Fantasia mas, lendo seu texto, acho que seria Fantasia Científica porque mostro viagens no Tempo, mundos paralelos e em certa parte aparecem robôs. Quero sua opinião de escritora: que gênero seria meu romance? Os outros dois sei que um seria sátira e o outro, romance psicológico mas esse terceiro, que por sinal é meu preferido, não sei que gênero seria. Sou um autor inédito.

    1. Oi Renato! A Fantasia Científica é caracterizada pela mistura quase indistinguível entre fantasia e ficção científica. Mundos paralelos, viagem no tempo e robôs são convenções da ficção científica. Então a pergunta para definir é: qual é o motor dessas três coisas? Se for a magia, pode ser fantasia científica, se não, é ficção científica mesmo 😉 Mas de qualquer forma, acho que fantasia científica não seria o gênero principal da sua história por conta da sinopse, talvez humor ou sátira mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.