Pular para o conteúdo
monstros na literatura

Monstros na Literatura Fantástica: um bate-papo com autores brasileiros

Marcações:

Em agosto de 2019, aconteceu a Odisseia de Literatura Fantástica. Durante o evento, autores brasileiros falaram sobre monstros na literatura, de onde eles vêm e o que está por vir no gênero.

A Odisseia de Literatura Fantástica é um evento que acontece todo o ano em Porto Alegre e reúne editoras, autores e leitores para discutir literatura.

O evento traz diversos painéis, uma feira com expositores de livros e artigos literários e a presença de ilustres figuras do meio.

Além disso, nesse ano, o evento também trouxe uma premiação. Por isso, neste artigo, eu vou contar um pouco sobre o que eu vi no primeiro bate-papo do evento, uma conversa sobre monstros na literatura.

BANNER DE SERVIÇOS EDITORIAIS

Monstros na literatura

Abrindo o evento, tivemos os autores Luciana Minuzzi (mediadora), Karen Alvares, Marciele Goetzke, A. T. Sergio e Flavio Karras falando sobre monstros.

Luciana perguntou aos autores quais eram os seus monstros favoritos, aqueles que eles tinham criado. E já nessa resposta podemos ver que o assunto renderia. Confira as respostas dos autores no vídeo abaixo:

Flávio respondeu uma barata e contextualizou de maneira incrível a escolha. A.T. respondeu demônios clássicos. Já Karen, trouxe fantasmas e Marciele, serial killers.

O incrível de cada uma das respostas foi perceber que os monstros criados pelos autores, e os monstros que estão em voga hoje, são reflexos de medos humanos ou os próprios humanos.

A barata, na explicação de Flávio, veio para perturbar um homem obcecado por limpeza.

Os demônios vêm para trazer o que há de pior no ser humano, os fantasmas foram seres humanos um dia e agora deixaram suas vontades florescer e os serial killers devoram a vida humana.

Quando questionados sobre essa natureza humana, os autores falaram sobre como os monstros sempre foram humanos.

Os lobisomens representam o medo de perder o controle da própria humanidade, os vampiros representam o roubo de energia e pessoas que sugam a vida (bondade?) de outras, por exemplo.

De onde vêm os monstros?

É interessante unir essa perspectiva com a origem dos monstros. Como eles surgiram de maneira geral e como surgiram para os autores presentes? Além disso, o que eles julgam serem os monstros de suas histórias.

Originalmente, como apontado por um espectador do bate-papo, a palavra monstro era usada para nomear pessoas que não se encaixavam.

O que foi transformando essas pessoas em algo assustados à medida que a única coisa que desejamos enquanto sociedade é pertencer.

Confira no vídeo a fala dos autores sobre o assunto:

Dessa maneira, qualquer ameaça pode se tornar um monstro para nós. Como Karen citou, ela já escreveu uma história em que o câncer era o monstro, um vilão.

O que esperar deles no futuro?

Um ponto muito interessante da discussão foi o futuro dos monstros, o que esperar de tendências para esses vilões. Nesse ínterim, as respostas foram muito diferentes do que eu poderia ter imaginado.

Veja abaixo o que os autores têm a dizer sobre isso:

Flavio nos trouxe o relativismo para o lado ruim como monstro de uma história. A.T. nos trouxe um monstro que não pode ser visto de frente, mas apenas de soslaio.

Enquanto isso, Karen e Marciele nos trouxeram mais seres humanos.

E isso é algo interessante porque, ao olharmos para trás, parecia não haver mais nenhum monstro a explorar. Porém, vimos uma nova tendência surgir com Um Lugar Silencioso e Caixa de Pássaros, por exemplo.

Nessas histórias, somos privados de nossos instintos humanos pela sobrevivência e vemos pessoas sobrevivendo e evoluindo nesse mundo.

Pensar na relativização como um monstro, então, não fica tão difícil de imaginar.

Em conclusão, eu gostei bastante dessa experiência. Acho que foi um tema interessante para se tratar e que nos deixa o que pensar e inspirações para escrever.

Portanto, continue acompanhando para mais conteúdos sobre a Odisseia de Literatura Fantástica e seus monstros.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.