Pular para o conteúdo
literaflix

Literaflix: uma viagem literária às nossas séries preferidas

Já pensou em ler um livro cheio de contos inspirados na suas séries favoritas?

Porque essa é a exatamente a proposta da coletânea de contos Literaflix, organizada pelo Marcel Spalding e publicada pela Editora Metamorfose.

O livro é o resultado da Oficina de Escrita para Iniciantes da Metamorfose e a proposta é que os participantes escrevessem narrativas tomando inspiração em suas séries favoritas.

Nesse livro, temos toda uma gama de gêneros e épocas, desde Bonanza até Once Upon a Time.

São 23 contos ao total, mas três deles deixaram uma ótima impressão em mim.

E o mais impressionante é que os contos que eu mais gostei tomam inspiração de séries que eu não acompanho. Aliás, os contos inspirados em séries que eu gosto não se conectaram comigo em nenhum nível.

1. Bonanza, de Flavio Feijó

Esse conto foi uma experiência interessante, especialmente porque a narrativa em primeira pessoa deixa o leitor com uma ideia errada no início da história.

É um conto bem curtinho, tem cerca de duas páginas e narra algumas impressões de mundo do protagonista.

Eu não quero falar muito, senão eu entrego a surpresa do final, mas achei interessante a maneira como o conto subverteu as expectativas e terminou me deixando com um sorriso de surpresa no rosto.

E talvez o que tenha me ajudado a ter uma experiência melhor foi não ter ideia do que se trata a série que inspirou essa história.

2. Criminal Minds, de Lola Carvalho

Eu não sou uma grande fã de tramas policiais e nem de séries sérias sobre a polícia (mas me chamem a qualquer hora para assistir Brooklyn 99), mas esse conto foi especial.

Ele começa com uma moça acordando em um quarto estranho e encontrando uma boneca que tinha perdido durante sua infância.

Pela série em que foi inspirada, o leitor não precisa de muito para entender o teor da trama.

Mas o mais interessante é que ele vai crescendo até terminar com uma cena que me deixou na ponta da cadeira. E agora, o que vai acontecer com a protagonista?

A impressão que eu tive é que essa é a introdução para um episódio da série. E eu assistiria

3. Black Mirror, de Alexandre Baldasso Schossler

A única narrativa que eu gostei e que é inspirada em uma série que eu gosto e acompanho.

Entre as séries escolhidas pelos autores, essa talvez seja a mais “fácil” de escrever algo porque o teor de Black Mirror é ser uma antologia.

Existe um tema em comum e esse conto explorou muito bem a ideia da série. O mais legal é que eu vejo algo como isso acontecendo no mundo de hoje.

Na trama, uma ONG denuncia tweets racistas imprimindo esses tweets e expondo na cidade por meio de geolocalização. Ou seja, ele colocam um pôster com seu tweet no lugar onde você o tweetou.

E só entregar esse aspecto da trama já nos deixa apreensivos porque eu consigo imaginar um episódio de Black Mirror tendo exatamente essa trama.

Foi um acerto e tanto!

A leitura de Literaflix foi uma experiência curiosa porque misturou dois mundos que eu gosto muito: livros e séries.

E que, se formos pensar, não são muito diferentes, apenas em questão de formato e mídia em que são apresentadas. Infelizmente, o livro não é perfeito.

Por ser o resultado de um curso para escritores, obviamente que os contos não serão profissionais.

Alguns poderiam ser bem melhores, alguns fogem do tema da série em que são inspirados ou pecam em não ter a magia da trama original. No geral, é uma leitura de altos e baixos.

Para adquirir o Literaflix, e me ajudar com uma comissão, acesse esse link.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.