Pular para o conteúdo
Como o medo do passado transforma o anti-herói?

Quer escrever um anti-herói? Então, garanta que ele tenha medo do próprio passado

O que todo anti-herói tem em comum?

Pode ser que você diga que é ser uma pessoa que pensa primeiro em si ou que faz as escolhas erradas, mas a verdade é que existe uma temática que une todo anti-herói: o medo de olhar para trás.

De maneira geral, o anti-herói é um personagem que não gosta de olhar para o seu passado, não consegue revisitar tudo o que já fez e nunca tentou fazer as pazes consigo próprio ou com o mal que fizeram para ele.

O foco do anti-herói está em deixar tudo isso para trás e construir um futuro livre de todo trauma ou tristeza já vivido.

Mas o problema é que nenhum de nós consegue ficar livre do passado e das marcas que ele deixa no presente.

Nós somos o resultado do nosso passado e qualquer tentativa de apenas fugir do que nos aconteceu acaba ricocheteando e voltando como um fantasma.

E a construção de um anti-herói acaba passando por essa problemática.

Como o medo do passado transforma o anti-herói?

A reflexão que eu trago aqui hoje foi provocada pelo canal The Take.

No vídeo “The One Thing All Antiheroes Are Afraid Of“, o canal explora o medo do passado e como evitá-lo transforma um personagem em anti-herói.

 

 

Olhando para o passado de diversos personagens da cultura pop considerados anti-heróis, percebe-se que ter um passado problemático, com uma família disfuncional, situações de abuso e falta de amor, os transforma em pessoas com baixa autoestima e auto-desprezo.

Um bom exemplo é Don Draper, o protagonista de Mad Men.

O personagem, literalmente, assume uma nova identidade para fugir da pessoa que ele mais odeia: ele mesmo.

Dick Whitman, seu nome de nascimento, representava para ele uma vida de humilhação constante, pobreza e falta de futuro.

Porém, quando assume a identidade de Don Draper, esse mesmo homem se torna confiante e galante. O custo dessa nova identidade, entretanto, é a mentira.

Don não consegue se conectar com nenhuma de suas esposas, não consegue se conectar com seus filhos e vive em constante tortura pessoal porque ele sabe que é um impostor.

Os conflitos do personagem apenas surgem porque ele sente que precisa fugir de seu passado vergonhoso, aquele que foi construído por uma família disfuncional.

O desejo pelo futuro é um mecanismo de defesa

Por causa desse passado traumático, para o qual o anti-herói tem vergonha de olhar, os anti-heróis costumam focar no futuro.

É como se o desejo de correr para o futuro existisse justamente porque eles querem se distanciar cada vez mais do passado, desse lugar que ainda provoca dor.

Esse é o mecanismo de defesa do anti-herói: fingir que está tudo bem, focar no objetivo futuro e caminhar até ele, independente de quem fica pelo caminho e do trauma que ele próprio está causando.

Um bom exemplo é o personagem Walter White, de Breaking Bad.

Inicialmente, um homem que apenas queria conseguir pagar seu tratamento contra o câncer, ao longo da série nós vamos acompanhando enquanto o personagem ignora os seus arredores para focar em um objetivo.

Nós percebemos também como um grande arrependimento no passado de Walt faz com que ele alimentasse seu desejo de se provar.

Quando era jovem, ele e dois amigos criaram uma empresa, da qual ele saiu mais tarde. Para seu azar, a empresa teve muito sucesso e Walt leva essa culpa consigo, o arrependimento de não ter ficado.

Porém, em vez de olhar para essa situação e entender que a culpa foi dele, ele culpa os outros. O que leva Walt em um caminho de crime.

Primeiro, ele apenas começou a produzir metanfetamina para pagar seu tratamento, mas depois o poder que a produção trouxe alimentou seu ego.

Isso leva o personagem a terminar sua história de forma trágica, machucando diversas pessoas ao seu redor, especialmente sua família.

Qual é a jornada de um anti-herói?

Pode parecer clichê, mas a jornada de um anti-herói que tem a raiz de suas ações nesse medo do passado é… vencer o medo do passado.

E o primeiro passo para isso é entender o que esse passado causa e por que causa determinados sentimentos. É aceitando que ele é parte do personagem e algo do qual ele nunca vai conseguir fugir.

A reconciliação com o passado vem quando o anti-herói entende que ele precisa parar de correr, olhar para trás e processar todas as emoções que isso traz.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.