Pular para o conteúdo
a bela e a fera

“A Bela e a Fera” (2017): uma série de impressões e reações

Marcações:

Ainda em 2015, a Disney anunciou que faria uma versão live action de A Bela e a Fera, a clássica animação de 1991.

Na época, eu não poderia ter ficado mais feliz porque a história é uma das minhas favoritas enquanto eu crescia.

Eu sei todas as músicas, queria ser a Bela quando crescesse e, em 2011, fui ao cinema assistir ao desenho em uma comemoração aos 20 anos de estreia da animação.

A iniciativa de uma versão live action vai ao encontro da tendência da Disney de renovar suas histórias clássicas, movimento iniciado por Malévola (2014) e Cinderela (2015).

A versão live action de A Bela e a Fera teria Emma Watson como Bela, Dan Stevens como Fera, Luke Evans como Gaston e Josh Gad como LeFou.

Selfie publicada por Emma Watson no Instagram, mostrando os atores Dan Stevens, Luke Evans, Kevin Kline e Josh Gad.

O primeiro teaser de A Bela e a Fera (2017)

O primeiro teaser do filme foi lançado em junho de 2016 e mostrava poucas cenas.

No vídeo, víamos o castelo em diversos ângulos sofrendo o passar do tempo e a chegada da maldição, a rosa encantada e uma visão muito rápida da caracterização de Emma Watson como Bela.

Reagindo à fotos, entrevistas, sneak peaks e peças promocionais

A partir do lançamento do primeiro teaser, a Disney começou a lançar diversas informações sobre o filme ao longo dos meses.

Havia desde sneak peaks com cenas que já tínhamos visto antes e cenas inéditas até fotos de bastidores e cenas inéditas.

Em setembro de 2016, a Disney liberou uma série de fotos em que podemos ver os cenários e os figurinos do filme, mostrando mais detalhes sobre os personagens.

Na primeira imagem, podemos ver o Gaston e LeFou.

Na segunda imagem, vemos a caracterização do Horloge e Lumière, além de uma imagem de bastidores mostrando Dan Stevens como a Fera depois que se torna humano novamente.

Um sneak peak foi lançado na mesma época e que fez parte do lançamento do DVD comemorativo de 25 anos da animação original.

No vídeo lançado, vemos os comentários do diretor do filme e também uma leitura de roteiro de todos os atores.

Até então, não tínhamos visto o visual da Bela e os fãs estavam começando a especular. Eis que em setembro, a Disney liberou a arte conceitual da caracterização da Bela de Emma Watson.

A arte conceitual se aproxima bastante do que vimos no filme e é uma recriação interessante do figurino original da Bela.

Tem uma certa adequação histórica, mas ainda traz o espírito aventureiro da Bela.

Na época do vídeo, eu também especulei sobre o vestido de baile da personagem, que sairia em teaser logo em seguida.

Já em outubro, tivemos mais duas imagens oficiais vazadas em que podemos ver mais um pouco.

Na primeira foto, vemos a Bela na biblioteca e na segunda foto, finalmente, temos uma visão sobre o vestido de baile clássico da personagem.

Mais reações e a recepção dos fãs

A reação geral do fãs à segunda foto não foi muito receptiva.

Todos comentaram que o vestido era menos impactante do que na animação, mas que ainda era bonito.

Ao contrário do vestido azul, o vestido de baile da Bela não é muito adequado historicamente.

Na ocasião do vídeo, eu comentei sobre o design utilizado para caracterizar a Fera também.

No mês seguinte, em novembro de 2016, a Entertainment Weekly fez uma edição especial sobre o filme com entrevistas com os atores e fotos oficiais e inéditas de cenas do filme.

A capa da revista já trouxe uma imagem incrível de uma cena do baile, onde Bela e a Fera aparecem dançando.

Além do figurino, também conseguimos descobrir o visual da biblioteca e do livro mágico que a Fera tem na biblioteca.

Nas imagens liberadas na revista, conseguimos ver a caracterização do Maurice e entender melhor o papel dele no filme.

Nesse meio tempo, também tivemos o lançamento de diversas novas peças promocionais: uma boneca da Bela que cantava uma música do filme e que foi o primeiro sneak peak da voz cantante de Emma Watson, pôsteres novos e TV spot de personagens.

Peças promocionais

Quase em março de 2017, nós tivemos mais uma enxurrada de peças promocionais.

Nessa última leva, tivemos Luke Evans e Josh Gad cantando a maravilhosa Gaston, imagens de bastidores com vários atores, foto do vestido de casamento da Bela, TV spot com cenas de Be Our Guest e sobre a Fera e diversos clipes de bastidores.

E, por último, exatamente na semana de lançamento do filme, a Disney liberou tanto no Spotify quanto no Youtube a trilha sonora em inglês e português.

O lançamento do primeiro trailer e do trailer final

Então, finalmente, em novembro de 2016, depois da enxurrada de materiais promocionais, a Disney lançou o primeiro trailer oficial do filme.

O trailer mostra diversas cenas novas e os personagens da história quase em completude. Conseguimos entender a maldição, vemos os motivos que levam o Maurice até o castelo e, também, a chegada da Bela lá.

O trailer final do filme só foi liberado em janeiro, um trailer mais longo e com muito mais cenas.

A Disney prometeu músicas inéditas, cenas inédias e tudo o mais. Em resumo: eu fiquei em lágrimas.

No trailer, podemos ver todo a aventura da Bela dentro do castelo, o enfrentamento com a Fera e, claro, todo o desenvolvimento de um relacionamento.

No novo trailer, também, podemos conferir a nova versão de Beauty and the Beast cantada por Ariana Grande e John Legend, além de cenas inéditas do baile.

As impressões finais de A Bela e a Fera

Então, depois de duas semanas esperando um tempinho para conseguir ir ao cinema e aproveitar a experiência como um todo, eu assisti ao filme e deixei maturar as opiniões.

Ao contrário de muita gente, eu não gostei do produto final.

A verdade, em suma, é que eu esperava que o filme não tivesse tantas pontas soltas e que fosse mais fiel à magia do original.

Tivemos diversas mudanças durante toda a trama, especialmente em questões que deveriam “corrigir” os erros da animação de 1991, mas a maioria acabou não tendo cabimento.

Tivemos uma mudança significativa na personalidade da Fera, que se tornou menos amável nessa versão, assim como um Gaston não tão simpático.

Em resumo, nosso querido vilão se torna um verdadeiro vilão no live action. Bela ganha uma nova narrativa, se torna uma inventora, mas usa seu novo talento apenas nos primeiros 30 minutos de filme.

LeFou prometia uma trama onde se tornava o primeiro personagem abertamente LGBT da Disney, mas acabou sendo uma decepção para a comunidade.

Por fim, A Bela e a Fera teve diversos erros de roteiro, problemas de construção de personagem e acabou sendo uma bomba para os fãs da versão original.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.